Psicologia Clínica, Psicoterapia, Terapia

A Psicologia, as Ciências Sociais e a Literatura são o campo preferencial de enfrentamento, na minha vida, das dores e vicissitudes da existência.

Muito cedo compreendi que os referenciais de saber outros que constituem o senso comum, apesar de estruturais e necessários, não eram suficientes para este tipo de confronto.

Como terapeuta me compreendo dentro do Espaço Arquetípico do Curador Ferido, daquele que buscou e conhece alguns mapas e caminhos por ter tido desde sempre que enfrentar a dor essencial da consciência do estar vivo, em um mundo amplamente fluido e incerto onde, no que pesem as regularidades, as diversidades fractais são a norma.

Representação de personalidades aprisionadas dentro de si mesmo

A Psicologia constitui um lugar único do saber e fazer, capaz de resultar no acúmulo de experiências, observações e reflexões humanas, historicamente estabelecidas, diversamente dos referenciais, também únicos, da Biologia, da Teologia, da Medicina, da Filosofia, da Economia, da Sociedade e da Cultura, com os quais dialoga.

O Conhecimento da Alma é um Campo onde esta especificidade poderá vir a ser compreendida através dos Comportamentos; dos Afetos; dos Pensamentos; dos Diálogos, Discursos e das Narrativas que realizam a Fala; das Circulações Bioenergéticas Explícitas ou Supostas; das Relações Sociais Significantes; das Manifestações Transpessoais, todas manifestações fenomenológicas de algo que Heidegger chamou de Ser-Aí.

Toda a minha vida adulta tem sido marcada por estudos, leituras, vivências terapêuticas e reflexões que me estabeleceram dentro deste campo único de referências significantes e dialógicas. Mais do que uma profissão ou um foco de interesse acadêmico, minha vida tem como um dos seus principais eixos as narrativas que se realizam existências, a partir e dentro de um diálogo perene e fecundo com todos os aspectos que, juntos, são compreendidos como sendo um saber sobre a Alma.

Eu não compreendo a Psicologia como uma arena de disputas teológicas, mas como o terreno da organização operante de um saber que seja útil frente a dor, minha inicialmente e dos outros na sequência, assim, ao longo das décadas vivenciei muitas das vias que a compõem e decerto que desta vivência reflexiva realiza hoje uma prática específica e idiossincrática. Não sugiro que minha visão seja melhor do que a de qualquer outra pessoa e não reivindico aceitação de quem quer que seja, mas assim como respeito todos dentro do campo democrático do saber e fazer, constatável na prática por resultados verificáveis, solicito ser respeitado dentro da minha maneira única de compreender e praticar a minha Arte.

Há um momento para cada praticante onde o Campo do Saber e Fazer de alguma referência Experimental e reflexiva Humana Historicamente Determinada e Compartilhada se converte de Repetição Protocolar em Arte indexada. Neste momento, o lugar da Repetição se converte em Criação e Catálise, e os Afetos realizam uma dimensão onde as palavras tensionam os significados e a Poesia emerge.

     

Aqui Sou.